Arquivo da tag: geografia agrária

Agricultores familiares terão crédito de R$ 21 bilhões para a safra 2013/2014

Padrão

http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-06-06/agricultores-familiares-terao-credito-de-r-21-bilhoes-para-safra-20132014

Fonte: Agência Brasil

Anúncios

documentário “Noivas do Cordeiro”

Vídeo

O documentário “Noivas do Cordeiro”, de Alfredo Alves. O filme conta a história da localidade Noiva do Cordeiro, no município de Belo Vale, a cem quilômetros de Belo Horizonte, que é aparentemente uma comunidade rural como tantas outras. No entanto, carrega características que a faz diferente, já que as mulheres são maioria absoluta e sofrem de forte preconceito e isolamento. Tudo graças a um evento que mudou a ‘fama’ das mulheres, vistas como prostitutas, perdidas. Os boatos afetaram ma vida na comunidade.

Há alguns anos, as mulheres resolveram mudar essa realidade. Para correr atrás de recursos e lutar por seus direitos, fundaram uma associação comunitária. Com isso, conseguiram criar uma escola de informática, a primeira da zona rural de Minas Gerais. Essa conquista fez com que, aos poucos, começassem a ser respeitadas pelas comunidades vizinhas.

Produção: Canal GNT

LIVRO: Sete Palmos de terra e um caixão

Padrão

sete_palmos_josue de castro

“Best Seller” da Geografia Brasileira escrito pelo Geógrafo Josué de Castro. Para conhecer Josué de Castro temos 2 fontes: http://www.projetomemoria.art.br/JosuedeCastro/pens.htm e http://pt.wikipedia.org/wiki/Josu%C3%A9_de_Castro

Encontrei o livro disponível na internet no link:

http://sites.google.com/site/questoesagrarias/jc/Josu%C3%A9deCastro-Setepalmosdeterraeumcaix%C3%A3o.pdf?attredirects=0&d=1

 

Das abas do livro (2ª Edição, 1967):

JOSUÉ DE CASTRO era o representante do Brasil na Conferência do Desarmamento de Genebra quando foi surpreendido com o decreto da cassação de seus direitos políticos. Não sendo um político de grande projeção no Governo passado ou que nele tivesse exercido Uma influência muito marcada, a sua cassação pareceu a muitos incompreensível.
Na realidade, era a sua obra que atraía sobre ele a ira das forças que subiram ao poder com o movimento de Abril de 1964 — esta mesma obra que, traduzida em 19 idiomas e divulgada no mundo inteiro numa tiragem que hoje alcança mais de um milhão de exemplares, fez de Josué de Castro um vulto de imensa projeção internacional.
Os seus trabalhos foram considerados, no campo da alimentação, tão revolucionários quanto os de Copérnico no domínio da astronomia. Ele denunciou a fome universal como uma praga fabricada pelo homem e não como um fenômeno natural, mostrando a inconsistência e o falso das teorias neomalthusianas, que visam apenas a defesa das minorias privilegiadas contra os interesses autênticos das maiorias espoliadas, as grandes massas deserdadas do mundo subdesenvolvido.
Escritor, cientista e professor universitário foi ele o pioneiro no Brasil dos estudos científicos sobre alimentação, tendo realizado em 1933 o primeiro inquérito levado a efeito para apurar as condições de vida de nosso povo. Natural de Recife, impressionou-se com a miséria em que vivia a maioria de sua população, atormentada pela fome. A princípio deu expansão à sua sensibilidade em obras de ficção, contos hoje reunidos em seu livro “Documentários do Nordeste” nos quais retratou com impressionante vigor literário a tragédia daquele povo.
A fome passou a ser o objetivo de seus estudos. Passou a estudá-la cientificamente, tal como ela se manifesta em nosso país, publicando sua conhecida obra “Geografia da Fome”; para, em seguida aplicando o seu novo método de trabalho sociológico em escala universal, apresentar o seu livro “Geopolítica da Fome”, que teria imensa repercussão internacional.
Seu livro foi laureado pela Academia Americana de Ciências Políticas com o prêmio Franklin D. Roosevelt e ao mesmo tempo pelo Conselho Mundial da Paz com o prêmio Internacional da Paz, evidenciando assim tratar-se de uma obra profundamente humana elaborada acima das posições partidárias e das intolerâncias políticas. A Associação Brasileira de Escritores e a Academia Brasileira de Letras também laurearam a obra de Josué de Castro com os prêmios Pandiá Calogeras e José Veríssimo.
Mas Josué de Castro não se limitou a publicar o seu grande livro “Geopolítica da Fome”. Dedicou toda sua vida ao estudo deste flagelo, publicando os trabalhos nos seus outros volumes de ensaios — o de Biologia Social e o de Geografia Humana, trabalhos que lhe valeram ser eleito em 1951 para o alto cargo de Presidente da Organização de Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (F.A.O.), e acaba de publicar seu último ensaio sobre o Nordeste, “Sete Palmos de Terra e um Caixão”. É a lista de seus livros que vêm chamando a atenção de nosso povo sobre um grave problema do nosso país que parece não merecer a devida atenção dos nossos governantes, o da situação de miséria e atraso em que vivem milhões de brasileiros, principalmente no Nordeste do nosso país.
Os seres humanos são muito propensos a querer ignorar ou considerar do domínio da utopia os problemas que não podem resolver ou que lhes parecem de difícil solução. Afora o seu valor científico e literário, aí reside o sentido prático da obra de Josué de Castro; o de chamar a atenção de nosso povo para um problema cuja solução não comporta mais delongas.
Convém notar, de logo, que a ciência tem um ponto de partida e que este ponto de partida é o senso comum.
Jean Wahl
Professor na Sorbonne de 1936 a 1967

Filme: Cabra Marcado para Morrer

Padrão

Para entender um pouco sobre as bases da estrutura agrária nordestina e, em especial, a formação dos movimentos sociais de luta pelos direitos à terra. Mais detalhes em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Cabra_Marcado_para_Morrer

Filme: