Arquivo da tag: desigualdade social

Reduto político de Renan Calheiros para em dia de jogo de futebol

Padrão

Fonte: TV Folha (domingos às 20hs na TV Cultura)

Matéria completa em: http://www1.folha.uol.com.br/poder/1239817-reduto-politico-de-renan-calheiros-para-em-dia-de-jogo-de-futebol.shtml

Por:

MORRIS KACHANI
FÉLIX LIMA
ENVIADOS ESPECIAIS A MURICI (AL)

A cidade de Murici, no interior de Alagoas, é berço político do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), e dominada por sua família há mais de duas décadas.

Remi, 50, irmão mais novo de Renan, cumpre seu quarto mandato à frente da prefeitura –seu sobrinho Olavo Neto é o vice na chapa.

A reportagem mostra que em dia de jogo do Murici Futebol Clube, a prefeitura fica vazia. Funcionários públicos, incluindo o prefeito, deixam seus postos para acompanhar a partida.

Renan Filho, filho de Renan, foi prefeito por seis anos entre a sequência de mandatos de Remi. Antes, em 1992, Olavo Calheiros, patriarca da família, ocupou a prefeitura.

 

Trabalho infantil – Sul da Bahia – Sisal (Programa Caminhos e Parcerias)

Padrão

O Programa Caminhos e Parcerias passava na TV Cultura aos domingos à tarde no início dos anos 2000. É um dos programas mais “geográficos” da TV, demonstrava questões culturais, desigualdades sociais e parcerias para mitigar problemas locais e regionais no Brasil.

As 3 partes do programa “Trabalho Infantil”, abaixo, são tão contundentes e bem produzidas que ganharam o XXII Prêmio Vladimir Herzog, nas categorias Melhor Reportagem de TV e Melhor Imagem de TV. 2000, o Rubro Mercosur/Educación do Prêmio FUNDTV 2002 e também o Prêmio da Organización de Estados Iberoamericanos para o melhor programa entre os vencedores dos Rubros 2002.

Na minha opinião, a jornalista Neide Duarte é uma referencia nacional para difusão dos problemas e virtudes dessa terra. Tenho profunda admiração pelo seu trabalho e na época não perdia um programa. Hoje em dia é perceptível que suas reportagens da TV Globo são de temas diferenciados que demandam um olhar “especial” para a sociedade, é muito bom vê-la na ativa.

Assistam abaixo o que ocorria (ou talvez ocorra ainda) na região de Retirolandia, sul da Bahia, onde mulheres trabalham no corte da folha do sisal, ao redor os filhos, meninos e meninas, de 5 a 15 anos. Os maiores ajudam no corte, os menores carregam a folha cortada até o motor. Dura rotina.

Mais sobre o Caminhos e parcerias: http://www2.tvcultura.com.br/caminhos/index.htm

Mais sobre este programa: http://www2.tvcultura.com.br/caminhos/11sisal/sisal1.htm

Imagem