Arquivo mensal: agosto 2014

Projeto Fábrica Verde

Padrão

Introdução

A Supervisão Geral de Empreendedorismo da Secretaria Municipal de Trabalho e Empreendedorismo (SDTE) promove o curso do Projeto Fábrica Verde, que viabiliza conhecimentos com relação á formação de jardinagem e cultivo no meio urbano, utilizando de ferramentas como a Permacultura Urbana¹ e a autogestão para incentivar tanto a qualificação de fornecedores de serviço, quanto futuros empreendedores no ramo de jardinagem, paisagismo sustentável e congêneres.

¹ Criação de aglomerados humanos sustentáveis, utilizando recursos locais na sua implantação com o mínimo impacto e maior aproveitamento energético e relação mais equilibrada e otimizada entre humanos e natureza.

Projeto Fábrica Verde

O curso e as oficinas do PFV proporcionam aprendizagem dinâmica, com teoria e práticas de autogestão empreendedora baseadas em princípios ecológicos e em técnicas sustentáveis aplicáveis no âmbito urbano. Inspira o processo criativo responsável – ambiental, social e economicamente – relativo a produção de serviços e produtos inovadores, tão necessário ao profissional diferenciado ante as perspectivas atuais do mercado de trabalho.

A metodologia empregada consiste de, além da organização e participação de eventos, aulas teóricas e práticas de forma a fomentar a apropriação e materialização do conhecimento adquirido com a execução de trabalhos propostos para este aprendizado e desenvolvimento baseado na demanda oferecida no contexto local e global.

Objetivo

Formar alunos competentes para exercer trabalho profissional atualizado no ramo de jardinagem, paisagismo e cultivo urbano incentivando o empreendedorismo mais sustentável.

Como atua?

Com curso de formação profissional, oficinas, organizando e participando de eventos de parceiros com afinidade a temática desenvolvida no projeto.
A partir de orientações teóricas, técnicas, dinâmicas de grupo e práticas.

Onde?

Na Cidade de São Paulo. O curso Ecologia Urbana com Ênfase em Empreendedorismo atualmente acontece em alguns CEUs da região Leste, podendo ser ampliado para outras regiões. O Projeto Fábrica Verde também está atuando como segunda fase do Programa ‘De Braços Abertos’ com formação profissionalizante.

Alguns temas desenvolvidos durante o curso de Ecologia Urbana com Ênfase em Empreendedorismo:

Empregos Verdes
Compostagem
Introdução à Permacultura
Preparo do solo
Plantio e Propagação
Empreendedorismo e Responsabilidade Ambiental
Reutilização e Ecodesign
O Jardineiro Profissional
Potenciais e utilização da terra
Vasos e Canteiros
Jardins Comestíveis e PANCs
Horta Mandala
Cultivo Vertical
Beneficiamento
Pragas e Defensivos
Podas e Plantio na Cidade
Introdução ao Paisagismo
Introdução ao Teto Verde
Captação de Recursos e Habilidades de Gestão

Duração do curso
Carga Horária de 160 horas, sendo 4 hora/dia.

Público-alvo
• Nos CEUs – maiores de 16 anos interessados em desenvolver capacidades de autogestão relacionadas à atividade empreendedora e ecologia urbana.
• Na estufa do Complexo Prates = Beneficiários atendidos pelo Programa ‘De Braços Abertos’.

Inscrições nos CEUs
Pré-inscrições deverão ser efetuadas pessoalmente nos CEUs onde ocorrerá o curso. Quando contatados pela equipe, por ordem de inscrição, os interessados deverão efetuar a inscrição em dia marcado.

Anúncios

Mostra de cinema paraguaio

Padrão

made_in_paraguai

A mostra Made in Paraguai traz pela primeira vez ao Brasil uma retrospectiva do cinema paraguaio dos últimos anos.

Com produção da Boulevard Filmes e curadoria do cineasta brasileiro Marcelo Engster, em parceria com o diretor e produtor paraguaio Carlos Cáceres, a Mostra contará com um total de 21 filmes, sendo onze longas-metragens e dez curtas, além de debates com a presença dos realizadores e de críticos estudiosos dessa cinematografia, que apesar de vizinha, ainda é pouco conhecida e divulgada em nosso país.

EVENTO: Relações raciais e étnicas na América Latina: entre o passado e o futuro

Padrão

A Escola de Sociologia e Política de SP (FESPSP) está promovendo seu III Seminário de Pesquisa, que ocorrerá entre os dias 21 e 23 de outubro de 2014.

Neste evento, eu e a professora Juliana Serzedello Crespim Lopes estamos organizando um grupo de trabalho para tratar de relações raciais no Brasil e na América Latina, contemplando diferentes áreas do conhecimento. Convidamos todxs para inscreverem trabalhos! As inscrições estarão abertas até o dia 05 de setembro de 2014, conforme as instruções do sítio a seguir.

Contamos com a participação de vocês e pedimos que nos ajudem na divulgação, para que nossa proposta chegue ao maior número de pesquisadores e demais pessoas interessadas no tema.

Abraços e obrigada!

http://www.fespsp.org.br/pesquisa/seminarios-de-pesquisa

GT 11 – Relações raciais e étnicas na América Latina: entre o passado e o futuro

Coordenadoras: Profª Drª Caroline Cotta de Mello Freitas (FESPSP/Faculdade Cásper Líbero); Profª. Meª. Juliana Serzedello Crespim Lopes (Faculdade Cásper Líbero)

Ementa: O Brasil, tal qual outros países da América Latina, historicamente, tem tratado a população negra e indígena como um “problema a ser resolvido”. Isto é, ditas populações são vistas como “problema” desde o período colonial, quando foram escravizadas. Ao longo do tempo o teor do debate sobre tais populações variou imensamente, da discussão sobre o branqueamento e da população em finais do século XIX e inícios do XX, passou-se, no Brasil, pela elaboração da ideia de“democracia racial” e elogio à mestiçagem, chegando-se, nos anos 80 e 90 do século XX à denúncia do racismo constitutivo da sociedade brasileira e a reivindicação de políticas públicas que deem conta de dirimir a desigualdade racial e étnica existente no país. Este grupo de trabalho visa recuperar a tradição da Fundação Escola de Sociologia e Política em estudos sobre a temática das relações raciais e étnicas. A intenção é reunir pesquisadores que trabalham com o tema sob variadas perspectivas, a fim de elaborar reflexões sobre aspectos como a história das relações raciais e étnicas no Brasil e na América Latina e o atual estado relações raciais. O grupo será multidisciplinar e se pretende discutir desde direitos dos povos indígenas até manifestações culturais negras nas grandes cidades contemporâneas. O que significa que pretendemos propor um debate amplo e interdisciplinar sobre a temática em foco.