Alguns Programas para Mestrado oferecidos pela USP

Padrão

Caros amigos e alunos. Atendendo a pedidos, listo abaixo alguns programas de Pós-Graduação oferecidos na Universidade de São Paulo (USP).

Geralmente esses programas demandam em seu processo seletivo:
a) Proficiência em uma segunda língua;
b) Projeto de Pesquisa e
c) Prova específica.

Entendo que o Mestrado “entra na vida” do cidadão que encontra uma certa maturidade sobre as coisas que lhe chamam a atenção ou sobre uma curiosidade não respondida!!!

Pois bem,

1. PROLAM
Para quem procura realizar uma pesquisa com tema relacionando a América Latina, estudos comparativos ou temas de abrangência, um caminho é o PROLAM. O edital para ingresso em 2018 ainda não foi lançado, mas o edital de 2016 para ingressantes em 2017 pode ser lido a partir do link:
http://www.usp.br/prolam/edital_selecao_prolam_2017_retificado.pdf

No site de teses da USP dá para ter uma noção sobre os temas trabalhados no PROLAM, vcs podem ver o título, autor e baixar em pdf as dissertações de mestrado e teses de doutorado:
http://www.teses.usp.br/index.php?option=com_jumi&fileid=9&Itemid=159&lang=pt-br&id=84131&prog=84001&exp=0

2. PROCAM
O Programa de Pós Graduação em Ciência Ambiental (PROCAM) está vinculado ao Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (IEE-USP) e oferece Cursos Strictu Sensu de Mestrado e Doutorado. É um Programa Interdisciplinar, criado em 1989, que visa formar pesquisadores capazes de proporem alternativas às diversas demandas da sociedade nas questões socioambientais.

Temas como aquecimento global, conservação da biodiversidade, áreas contaminadas, gestão dos recursos hídricos e dos resíduos sólidos urbanos, entre outros, compõem os maiores desafios atuais. Por isso, os problemas socioambientais deixaram de ser uma novidade e foram incorporados às políticas públicas de vários governos, além de serem foco de importantes movimentos sociais.

Integram seu corpo docente pesquisadores das Ciências da Vida, Ciências da Terra, Ciências Humanas, Ciências Exatas e Ciências Aplicadas, que têm no exercício da interdisciplinaridade o principal desafio. Reunidos, buscam entender a complexidade dos problemas gerados pelas diversas formações sociais e sua relação com o meio ambiente.

O desafio de formar pesquisadores com este perfil nutre uma reflexão sistemática sobre problemas socioambientais que estimula a interação de profissionais de muitas áreas e em diversas escalas, como a internacional, a nacional e a local.

Existem 2 Pós no PROCAM, em CIÊNCIA AMBIENTAL e em ENERGIA, vejam os editais:

a) Ciência ambiental: http://www.iee.usp.br/?q=pt-br/ci%C3%AAncia-ambiental-mestrado-e-doutorado

b) Energia: http://www.iee.usp.br/?q=pt-br/energia-mestrado-e-doutorado

3. EACH – Escola de Artes, Ciências Humanas da USP – USP Leste
São diversos programas de pós, disponíveis:

  1. Bioquímica e Biologia Molecular
  2. Ciências da Atividade Física
  3. Estudos Culturais
  4. Gerontologia
  5. Gestão de Políticas Públicas
  6. Modelagem de Sistemas Complexos
  7. Mudança Social e Participação Política
  8. Sistemas de Informação
  9. Sustentabilidade
  10. Têxtil e Moda
  11. Turismo

Saiba mais em:
http://www5.each.usp.br/apresentacao-programas-de-pos-graduacao/

4. PGEHA – Programa de Pós-Graduação Interunidades em Estética e História da Arte da Universidade de São Paulo.

O Programa de Pós-Graduação Interunidades em Estética e História da Arte apresenta a área de concentração “Estética e História da Arte” em quatro linhas de pesquisa: “Teoria e Crítica da Arte”, “História e Historiografia da Arte”, “Metodologia e Epistemologia da Arte” e “Produção e Circulação da Arte”. A partir dessa estrutura, os projetos de pesquisa, conteúdos disciplinares, orientações de projetos, publicações, intercâmbios nacionais e internacionais e demais atividades do Programa dirigem-se para a perspectiva interdisciplinar propiciada pela área de concentração. Nas ações estabelecidas, diversas esferas do conhecimento estético e artístico (teoria, crítica, história, historiografia, metodologia, epistemologia, produção e circulação) são correlacionadas com as linhas de pesquisa. Nos procedimentos metodológicos e epistemológicos há clara tendência à interação com outras áreas do saber, tais como: administração, antropologia, arquitetura, ciências sociais, comunicação (com ênfase nas novas mídias digitais), economia, educação, filosofia, história, museologia, patrimônio, psicologia, políticas públicas e mais recentemente, saúde pública e direito.

Saiba mais em: http://angico.usp.br/pgeha/index.php/pt-br/o-programa

5 – ESCOLA DE COMUNICAÇÃO E ARTES – ECA

A ECA tem os seguintes programas de Pós:

  • Artes Cênicas
  • Artes Visuais
  • Ciência da Informação
  • Ciências da Comunicação
  • Meios e Processos Audiovisuais
  • Música

Maiores informações e o edital passado pode ser acessado aqui: http://www3.eca.usp.br/pos

 

 

“Estudar e pesquisar em Harvard University”

Padrão

Colóquio
FFLCH – Harvard University

Dia: 21 de Maio de 2015 (quinta-feira)

Horário: 16:00

Local: sala 08 do Prédio de Filosofia e Ciências Socias (Av. Prof. Luciano Gualberto, 315)

Palestra:

Estudar e pesquisar em Harvard University

Professor Frances Hagopian – Faculty Chair of the Brazil Studies Program of the David Rockefeller Center for Latin American Studies (DRCLAS)

CCInt-FFLCH – Endereço: Rua do Lago, 717, sala 130 – Prédio da Adm. da FFLCH

Tel: 3091-3572 / 3091-4622 – E-mails: ccint.fflch@usp.br /ccint2.fflch@usp.br

Comissão de Cooperação Internacional

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Universidade de São Paulo

Palestra aberta: Transformaciones agropecuarias y producción de vulnerabilidad socio territorial en la región pampeana Argentina

Padrão

O Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana convida a todos para a Palestra:

Transformaciones agropecuarias y producción de vulnerabilidad socio territorial en la región pampeana Argentina

 Profa. Dra. Gabriela Maldonado

Universidad Nacional de Rio Cuarto/Conicet (Argentina)

 Dia 02              de junho de 2015

 Horário: 18h

Local: Sala de Vídeo da Geografia

 

Apoio Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana e Laboplan

Inscrições na Secretaria de Pós-Graduação do Departamento de Geografia ou por email:coordpgh@usp.br

Serão emitidos certificados

Debate entre Luciana Genro e Alexandre Padilha aberto ao público na USP

Padrão

CENEDIC E Le-Marx promovem debate

 “Visões da crise”

Debatedores:

Alexandre PadilhaSecretário municipal de Relações Governamentais e ex-Ministro da Saúde.

Luciana Genro – PSOL

Coordenação: Ricardo Musse (USP)

Dia: 20 de maio de 2015 (quarta-feira)

Horário: 18h

Local: Auditório da Biblioteca Brasiliana Mindlin – USP

VI Simpósio de Restauração Ecológica

Padrão

O VI Simpósio de Restauração Ecológica, promovido pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente, através do Instituto de Botânica de São Paulo, no período de 9 a 13 de novembro de 2015, nas dependências do Instituto de Botânica e Sala de Convenções do Centro de Exposições Imigrantes– São Paulo – SP terá como tema central Novos Rumos e Perspectivas”. O objetivo principal deste VI Simpósio é promover uma discussão sobre as tendências das políticas públicas que devem ser adotadas sempre com base na pesquisa científica e nos processos socioambientais, tendo como referencial o cumprimento da legislação ambiental e de metas estabelecidas. Estas tendências serão apresentadas e discutidas em mesas-redondas, palestras, cursos, estande de apresentações de trabalhos científicos, atividades relacionadas à disponibilização de serviços e produtos voltados à restauração ecológica.

Saiba mais: http://www.infobibos.com/rad/

Com o apoio de Sonia Silverio

Pastoral da Terra mostra aumento de 26% nos conflitos por água no país

Padrão

O número de conflitos em zonas rurais por disputa de água foi recorde no ano passado, com 127 casos envolvendo 42.815 famílias e 214 mil pessoas, conforme o relatório Conflitos no Campo 2014, da Comissão Pastoral da Terra (CPT), divulgado na segunda-feira (13). Segundo o relatório, na comparação com 2013, houve aumento de 26% nas disputas pelo recurso hídrico. Naquele ano, foram registrados 101 casos, o mais alto número até então. A CPT acompanha os conflitos por água nas áreas rurais do Brasil desde 2002.

A Pastoral da Terra classifica os conflitos em três categorias: apropriação particular, disputa pela construção de barragens e açudes e os relacionados ao uso e à preservação da água. “O maior número de conflitos envolvendo água foi de pessoas impactadas por grandes projetos hidrelétricos, como Belo Monte, Tapajós e Santo Antônio. A CPT registra três categorias. Prevemos que a questão dos grandes projetos vai continuar e que vai aumentar muito a questão do uso indevido de agrotóxico que contamina as fontes de água”, disse a coordenadora nacional da CPT, Jean Ann Bellini.

A Região Nordeste registrou o maior número de conflitos por água: 42. O Sudeste, que sofre com as consequências da falta d’água, vem em seguida, e com 38 conflitos (crescimento de 90% em relação a 2013). Em todo o país, os estados de Minas Gerais e da Bahia registraram o maior número: 26 cada um.

De acordo com o relatório, o total de conflitos, incluindo aqueles por posse de terra, trabalho, água e outros, em 2014, teve aumento de apenas 20 casos com relação ao ano anterior. Em 2013, foram 1.266 e no ano passado, 1286.

O maior índice de crescimento de conflitos e da violência no ano passado foi verificado nas regiões Sul e Sudeste. O total de conflitos no campo cresceu 91% na Região Sul, passando de 56 ocorrências em 2013, para 107 em 2014. O mesmo ocorreu no Sudeste, com aumento de 56% nos casos – 62 em 2013 para 253 em 2014.

A CPT explicou que, nessas regiões, os movimentos sociais atuaram mais intensamente no ano passado. Segundo o relatório, isso provocou “forte reação” dos representantes e aliados do agro e hidro negócios e do Poder Público, o que explica o aumento dos conflitos e da violência. Mesmo com o Sul e o Sudeste apresentando grande crescimento do número de conflitosa, o Nordeste foi o que teve mais casos (418), seguido pela Região Norte (379).

Jean Ann destacou ainda o aumento das tentativas de assassinato. Ela ressaltou que, diferentemente do que ocorreu em anos anteriores, em 2014, muitas vezes as tentativas ocorreram sem ameaça. Em 2013, foram registradas 241 ameaças de morte e em 2014, 182.

“Antes, as pessoas podiam tentar recuar, ou ficar quietas, tomar consciência do perigo que corriam, mas agora parece que não está havendo essa chance. O número de assassinatos aumentou de 34 para 36 no total, mas o número de tentativas foi assustador”, disse a coordenadora da Pastoral da Terra. Conforme dados do relatório, em 2013, houve 15 tentativas de assassinato e, no ano passado, 56, o que representa aumento de 273% no número de casos.

O crescimento dos atentados ocorreu em todas as regiões do país, com exceção do Centro-Oeste, onde os números caíram. No Nordeste, os atentados passaram de cinco para 11. No Norte, de zero para 32, com 28 casos só no Pará.

Jean Ann chama a atenção para o número de famílias despejadas, aquelas que tiveram que deixar uma localidade depois da emissão de mandado judicial. Dados do estudo mostram que o número dobrou de um ano para o outro. “Houve aumento de 92% de despejos. Comparando, 6.358 famílias foram despejadas em 2013. Em 2014, foram 12.188.”

A edição com números de 2014 marca os 30 anos da publicação, que é divulgada anualmente. Nesse período, foram registrados pela CPT 29.609 conflitos no campo, envolvendo 20.623.043 pessoas. Foram 23.079 conflitos por terra, 4.389 trabalhistas, 836 por água e 1.305 de outras naturezas. Entre 1985 e 2014, foram registrados 1.723 assassinatos em 1.307 ocorrências de conflitos.

Para Jean Ann, um dado preocupante é o da punição dos envolvidos nesse tipo de crime ao longo dos 30 ano. “Somente 108 casos foram levados a julgamento e pouco mais de 80 pessoas condenadas, além de mais de 20 mandantes, mas nenhum deles está preso.” (Fonte: Agência Brasil)

Esta entrada foi escrita emClipping e tags ,
Extraído de: http://noticias.ambientebrasil.com.br/clipping/2015/04/14/114605-pastoral-da-terra-mostra-aumento-de-26-nos-conflitos-por-agua-no-pais.html